Economia

1974. O ano em que a economia portuguesa mudou

22 janeiro 2023 10:19

A revolução de 25 de Abril marcou um momento de viragem no país e na economia

rui ochoa

A revolução de 25 de Abril aconteceu numa fase de turbulência na economia internacional

22 janeiro 2023 10:19

O que muitos julgavam não passar de um ‘movimentozeco’ dentro das Forças Armadas acabou por acordar o então presidente do Conselho às 5 da manhã de 25 de abril de 1974. Marcelo Caetano saltou da cama ouvindo o chefe da polícia política, Silva Pais, dizer-lhe ao telefone que “a revolução está na rua”. Refugiou-se no Quartel do Carmo, em Lisboa, e o resto é história. A ditadura caiu ao fim de 48 anos, com a imagem icónica dos cravos vermelhos enfiados nas espingardas, e a economia iria sofrer uma transformação radical que na véspera seria inimaginável. Na Europa e nos EUA o golpe militar antiditatorial, envolvendo capitães e generais, foi uma “surpresa”.

No sábado anterior ao 25 de Abril, o Expresso noticiava que António Champalimaud, um dos magnatas dos grandes grupos financeiros e industriais, solicitava criar bancos de investimento em Angola e Moçambique e que o Mercado de Valores tinha nova regulação. Ironicamente, as Bolsas de Valores de Lisboa e do Porto já não abririam no dia 25 de abril, depois de um crescimento fulgurante de mais de 200% desde 1971. As transações bolsistas em 1974 cairiam 77% em relação ao ano anterior. As bolsas só voltaram a abrir portas a partir de 1976. Os investidores financeiros sofreram um terramoto: havia 145 cotadas em bolsa e as 10 maiores em capitalização representavam 10% do PIB. A arraia-miúda, incluindo emigrantes, ficou de mãos a abanar.