Economia

Economia portuguesa abranda após forte arranque do ano (mas, cresce acima dos 5%)

19 janeiro 2023 14:13

south_agency

Depois de crescer a dois dígitos na primeira semana de 2023, a atividade económica no país abrandou, mas manteve um crescimento acima dos 5%, sinaliza indicador do Banco de Portugal

19 janeiro 2023 14:13

A atividade económica em Portugal não conseguiu manter o elevado ritmo de crescimento da primeira semana do ano, altura em que avançou 11,6%, e abrandou na semana seguinte. Ainda assim, expandiu-se mais de 5% face a 2022.

É isso que sinaliza o indicador diário de atividade económica (DEI), calculado pelo Banco de Portugal (BdP). Os dados foram atualizados esta quinta-feira e, segundo uma nota publicada pelo BdP na sua página na internet, “na semana terminada a 15 de janeiro, o indicador diário de atividade económica (DEI) aponta para uma taxa de variação homóloga da atividade inferior à observada na semana anterior.”

Nessa semana - que abrange o período entre 9 de janeiro e 15 de janeiro –, a média móvel semanal do DEI indica um crescimento homólogo da atividade económica de 5,5%.

Isto depois de na semana anterior – que abrange o período entre 2 de janeiro e 8 de janeiro – ter avançado 11,6%. É preciso, contudo, ter em conta um efeito de base no forte crescimento registado no arranque de 2023. É que, na mesma altura do ano passado, estiveram em vigor diversas medidas de restrição à mobilidade. Isto porque o forte crescimento de casos de covid-19 levou o Governo a decretar um período de contenção, que esteve em vigor até 10 de janeiro. Em causa estiveram medidas como teletrabalho obrigatório, encerramento de creches e discotecas, e redução da lotação de espaços comerciais.

O DEI é um indicador compósito, calculado pelo BdP, que reúne dados de alta frequência e procura traçar um retrato, quase em tempo real, da evolução da atividade económica em Portugal. Assim, cobre diversas dimensões, sumariando a informação das seguintes variáveis diárias: tráfego rodoviário de veículos comerciais pesados nas autoestradas, consumo de eletricidade e de gás natural, carga e correio desembarcados nos aeroportos nacionais e compras efetuadas com cartões em Portugal por residentes e não residentes. Os dados são habitualmente atualizados à quinta-feira pelo BdP, podendo os valores passados ser revistos pelo banco central.