Economia

Madeira supera recordes históricos de dormidas turísticas em 2022, atingindo quase 9 milhões até novembro

13 janeiro 2023 17:59

josé fernandes

Região autónoma portuguesa informou ter tido no ano passado um aumento de 96,5% nas dormidas de turistas face ao pré-pandemia, e considerando só o acumulado dos primeiros onze meses

13 janeiro 2023 17:59

A Madeira registou 8,9 milhões dormidas em alojamentos turísticos, entre janeiro e novembro de 2022, indicou a Direção Regional de Estatística, realçando que supera o recorde anual de 8,4 milhões dormidas verificado em 2017.

“Em termos acumulados (janeiro a novembro de 2022), considerando as dormidas globais, estima-se que o seu número ascenda aos 8,9 milhões, traduzindo uma variação homóloga de 96,5% e de 16,7% face ao mesmo período de 2019”, revela a Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM).

A autoridade regional acrescenta que, apesar de ainda “faltar a contabilização das dormidas de dezembro, o acumulado dos primeiros onze meses de 2022 já garante a superação do anterior máximo anual de dormidas (8,4 milhões em 2017)”.

Estas informações constam de uma nota enviada às redações relativa aos números das dormidas e proveitos do mês de novembro. De acordo com a DREM, “o número de dormidas no alojamento turístico aproximou-se dos 731,2 mil”, em novembro de 2022, o que significa um acréscimo de 26,1% em comparação com o mês homólogo.

Os proveitos totais e os de aposento, em novembro de 2022, apresentaram crescimentos homólogos de 25,6% e 30,8%, respetivamente, fixando-se, pela mesma ordem, nos 36,3 e 25 milhões de euros.

A hotelaria concentrou 77,6% (567,1 mil) do total das dormidas de novembro de 2022, crescendo 20,3% em termos homólogos, enquanto o turismo no espaço rural (2,3% do total) cresceu 20,6% e o alojamento local (20,1% do total), 55,6%.

Comparando o período de referência com novembro de 2019 (período pré-pandemia), a atividade no alojamento turístico apresentou um crescimento de 33,5% nas dormidas, com o mercado de residentes no estrangeiro a registar um acréscimo de 27%.