Economia

Ataque informático à Segurança Social comprometeu nomes de 14 mil funcionários, mas não outros dados dos cidadãos

11 janeiro 2023 12:28

dado ruvic

O ataque informático à Segurança Social comprometeu os nomes dos funcionários da instituição, num total de 14 mil, disse Paula Salgado, presidente do Instituto de Informática, ao Parlamento

11 janeiro 2023 12:28

O ataque informático de novembro aos sistemas da Segurança Social comprometeu apenas os nomes dos funcionários e não comprometeu outros dados relativos aos trabalhadores da instituição, nem dos cidadãos em geral, disse esta quarta-feira, 11 de janeiro, Paula Salgado, presidente do Conselho Diretivo do Instituto de Informática, no Parlamento.

Na Comissão de Trabalho, Segurança Social e Inclusão, onde compareceu a requerimento do PCP para prestar esclarecimentos, Paula Salgado declarou que o ataque decorreu a 18 de novembro, sexta-feira, pelas 5h da manhã, e foi possível “impedir os eventuais efeitos do mesmo (…) mantendo toda a rede informática do Ministério sem qualquer quebra de serviço".

Porém, disse, “apesar de o incidente ter sido classificado de baixo risco”, foram expostos os nomes dos trabalhadores da Segurança Social. O ataque comprometeu o nome de 14 mil funcionários.

“A Segurança Social, em estreita colaboração com o seu Encarregado de Proteção de Dados, tomou a decisão de optar por comunicar à CNPD esta intrusão uma vez que foram expostos dados dos trabalhadores da Segurança Social, nomeadamente o nome”, ressalvando que “não houve qualquer comprometimento de dados pessoais de cidadãos ou de contribuintes”.

O Instituto de Informática contou com o apoio de uma equipa internacional de especialistas em cibersegurança, que trabalhou a par com as equipas do Instituto de Informática e com a Polícia Judiciária (PJ). “Conseguimos garantir a salvaguarda de toda a informação com a estreita colaboração que tivemos”, salientou, avançando que “está a decorrer um inquérito” pela PJ sobre o ataque.

Sobre o porquê do atraso na divulgação pública do ataque - a Segurança Social comunicou-o à CNPD no domingo, 20 de novembro, e publicamente dia 21 de novembro, três dias depois do primeiro alerta - Paula Salgado garantiu aos deputados que “em momento algum quisemos esconder", tendo a Segurança Social comunicado "a todos os trabalhadores do ministério o que se estava a passar" na madrugada de segunda-feira.