Economia

Inflação abranda em novembro nos países da OCDE

10 janeiro 2023 11:00

nurphoto/getty

A taxa de inflação abrandou em novembro entre os países da OCDE. Entre os 38 países membros da organização, 25 registaram quedas da taxa de inflação de outubro para novembro

10 janeiro 2023 11:00

A taxa de inflação nos 38 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) caiu para os 10,3% em novembro face aos 10,7% registados em outubro, divulgou a instituição esta terça-feira, 10 de janeiro.

Entre os 38 países que compõem a organização, 25 registaram quedas da taxa de inflação de outubro para novembro. A taxa de inflação de novembro recupera os níveis registados em agosto de 2022.

Em Portugal, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), a inflação em novembro foi de 9,9%, abaixo dos 10,1% de outubro.

As taxas de inflação mais altas de novembro, todas superiores a 20%, foram as da Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia e Turquia.

De acordo com o comunicado da OCDE, o crescimento do índice de preços da energia caiu para níveis de setembro de 2021, de 28,1% em outubro para 23,9% em novembro, registando-se recuos na maioria dos países membros. As excepções foram a República Checa, a Finlândia, a Eslovénia e a Suécia.

Porém, a inflação na energia continua elevada: “continuou acima dos 10% em 34 dos 38 países da OCDE e acima dos 30% em 14 deles”, segundo o comunicado.

A taxa de inflação específica dos bens alimentares manteve-se inalterada nos 16,1% em novembro.

Já a inflação subjacente, que exclui dos cálculos a energia e os bens alimentares pela sua volatilidade de preço, registou uma queda ligeira para os 7,5%.

“A inflação da alimentação e da energia continuou a ser o maior contributo para a taxa de inflação geral em França, Alemanha, Itália e Japão, ao passo que a inflação excluindo alimentação e energia foi o principal impulsionador da inflação no Canadá, no Reino Unido e nos Estados Unidos”, detalha a OCDE.

Já entre os países do G20, a variação homóloga da taxa de inflação “caiu para 9% em novembro face a 9,5% em outubro”.