Economia

Construir casas novas ficou 11,7% mais caro, mas crescimento dos preços abranda

6 janeiro 2023 12:10

Faltam 80 mil trabalhadores na construção

getty images

Custo dos materiais mantém tendência de abrandamento em novembro, enquanto os salários não param de crescer, revelou esta sexta-feira o INE

6 janeiro 2023 12:10

Pelo segundo mês consecutivo, a descida de preço de algumas matérias-primas como o ferro ou o aço, a quebra de preço nos fretes marítimos estão a alimentar a tendência de abrandamento nos custos de construção em novembro. A descida só não tem maior amplitude devido à pressão contínua nos salários, que representam uma grande fatia nos encargos com a edificação.

Os custos de construção de habitação nova aumentaram 11,7% em termos homólogos, menos 0,6 pontos percentuais (p.p.) do que o observado no mês anterior, revelou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). Os preços dos materiais aumentaram 15,4%, desacelerando 1,7 p.p. face ao mês anterior enquanto o custo da mão de obra aumentou 6,7% (5,7% em outubro).

Apesar da descida dos preços da energia, a pressão continua a fazer-se sentir em produtos com maior consumo energético como cerâmicas, revestimentos ou cimento.

Em relação aos produtos cerâmicos, há unidades de produção cujos contratos são plurianuais e que por isso, não refletem ainda as descidas registadas no gás, entre outros. Entre os materiais que mais influenciaram esta variação estão os produtos cerâmicos, com crescimentos homólogos dos preços de cerca de 60%. O cimento, as madeiras e derivados de madeira, os mármores e produtos de mármore e o consumo de produtos energéticos apresentaram crescimentos homólogos superiores a 20%”, salienta o INE.

Já os salários mantêm a tendência de crescimento a que não é alheia a falta de mão-de-obra que afeta o sector de construção, estimada pela AICCOPN – Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas em cerca de 80 mil trabalhadores.

Recorde-se que, no final do ano passado, os fretes marítimos terão descido 80% segundo o Global Container Index - que fornece a média das taxas de frete de contentores das 12 grandes rotas marítimas mundiais.