Economia

'Mago' das criptomoedas declara-se inocente das acusações de fraude

4 janeiro 2023 8:17

alex wong

Sam Bankman-Fried declarou-se inocente de acusações de fraude e lavagem de dinheiro perante o tribunal. O julgamento deverá começar a 2 de outubro e terá uma duração de 4 semanas

4 janeiro 2023 8:17

Sam Bankman-Fried, fundador e líder da plataforma FTX, declarou-se inocente perante um juiz norte-americano na terça-feira dos oito crimes que lhe foram imputados, de acordo com o Financial Times, com o tribunal a apontar para um julgamento de quatro semanas com início a 2 de outubro.

Segundo o jornal britânico, ao comparecer perante os juizes em Nova Iorque, Bankman-Fried - que está em prisão domiciliária em casa dos pais, na Califórnia, depois de pagar uma fiança de 250 milhões de dólares (cerca de 236 milhões de euros) - não disse uma palavra, tendo exprimido a sua posição através dos advogados.

Outros altos cargos da FTX declararam-se culpados das acusações que lhes foram imputadas, e estão a colaborar com a justiça norte-americana.

As acusações incluem fraude informática e fraude com ativos mobiliários. Os procuradores do crime de fraude lesiva dos clientes da FTX - plataforma que hoje tem mais de um milhão de credores à espera de recuperar fundos - e dos investidores no hedge fund Alameda Research, acusaram ainda o empreendedor de 30 anos de lavagem de dinheiro através de donativos que fazia a partidos políticos e a instituições sociais, elenca o FT.

Os investigadores alertaram o tribunal que ainda estavam a recolher vários documentos de prova, com mandados de busca em curso, a juntarem-se às centenas de milhares que, disseram, irão apresentar em tribunal em outubro.

A queda da plataforma FTX e do hedge fund Alameda foi em novembro e viria a agravar a crise no setor dos criptoativos, afetado pelo aumento acelerado das taxas de juro de referência pelos bancos centrais, com consequente queda de liquidez no mercado, e pelo colapso de projetos como a stablecoin algorítmica TerraUSD e financeiras como a Celsius.

Os investigadores e gestores de insolvência foram revelando a dimensão dos estragos numa empresa sem os mínimos controlos internos. SBF, iniciais pelas quais é conhecido, acabaria por ser preso nas Baamas a 13 de dezembro, onde vivia e onde as suas empresas tinham sede, e extraditado para os Estados Unidos, onde aguarda julgamento.