Economia

Estée Lauder compra a marca de luxo Tom Ford, na qual o grupo Amorim tem participação de 10%

16 novembro 2022 11:27

getty images

A Estée Lauder anunciou a compra da marca de luxo Tom Ford, da qual o grupo Amorim é acionista, com 10%. A transação avalia a Tom Ford em 2,8 mil milhões de dólares

16 novembro 2022 11:27

A Estée Lauder anunciou a compra da marca de luxo Tom Ford, da qual o grupo Amorim é acionista minoritário, com 10%. A gigante dos produtos de beleza norte-americana adquiriu a marca do carismático desenhador de moda por 2,8 mil milhões de dólares (cerca de 2,7 mil milhões de euros ao câmbio atual) para impulsionar as vendas em produtos de margem alta como os perfumes, com mercados-chave como a China a serem afetados pela pandemia da covid-19.

No comunicado ao mercado divulgado na segunda-feira a Estée Lauder indica que “o negócio avalia a totalidade da empresa em 2,8 mil milhões de dólares” e que “o montante a ser pago pela ELC [Estée Lauder] pela aquisição é de aproximadamente 2,3 mil milhões de dólares, líquido de um pagamento de 250 milhões de dólares à ELC no fecho da transação, pela Marcolin”.

O comunicado refere que a operação fará da Estée Lauder “o único proprietário da marca Tom Ford e da sua propriedade intelectual” e que a Estée Lauder financiará esta aquisição por via de capitais próprios, dívida e pagamentos diferidos de 300 milhões de dólares, que só serão efetivamente desembolsados a partir de julho de 2025.

O estilista Tom Ford vai continuar na marca até ao final de 2023, sem mais detalhes sobre que cargo assumirá a seguir.

A Estée Lauder, que faz assim uma incursão na moda, já era parceira da Tom Ford através de um contrato de licenciamento que lhe permitia comercializar os produtos de beleza da marca de luxo, como perfumes e cosméticos - que é de onde vem grande parte das receitas da Tom Ford.

Sem experiência em moda, a Estée Lauder vai licenciar a marca de roupa de luxo à italiana Ermenegildo Zegna, responsável pelo desenho de todas as coleções e pela organização de tudo o que for associado a moda. Já a Marcolin vai continuar a deter a licença para produtos óticos da marca, que já tinha desde 2005.