Economia

No último mês do verão, receitas do turismo ficaram mais de 20% acima de 2019

14 novembro 2022 11:32

luís forra

Os proveitos do turismo em Portugal subiram 21,3% em setembro face ao mesmo mês de 2019, para 608,2 milhões de euros, nota o INE. A Área Metropolitana de Lisboa concentrou mais de 30% das receitas

14 novembro 2022 11:32

Os proveitos totais do turismo em Portugal totalizaram 608,2 milhões de euros em setembro, mais 70,3% que em setembro do ano passado e mais 21,3% que no mesmo mês de 2019 (antes da pandemia), mostram os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgados esta segunda-feira.

Já os proveitos de aposento cresceram 74,5%, para 469,2 milhões de euros. Em relação a setembro de 2019 o aumento é de 22,5%.

Quando ao rendimento médio por quarto disponível (RevPAR), este situou-se em 78 euros e o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu 115,6 euros, mais 17,7% e 18,9%, respetivamente, face a junho de 2019.

De notar que 2019 foi o melhor ano de sempre do turismo em Portugal. Em 2022 os meses de verão já mostraram valores acima de 2019 a nível de hóspedes, mas os proveitos e outros rendimentos cresceram mais rapidamente. Por exemplo, em setembro o setor do alojamento turístico registou 2,9 milhões de hóspedes e 7,7 milhões de dormidas, mais 0,2% e 0,7%, respetivamente, face a setembro de 2019. Um crescimento bastante inferior ao dos proveitos e dos rendimentos médios por quarto.

Analisando os resultados de setembro por tipo de estabelecimento, o RevPAR atingiu o valor mais elevado nas pousadas e quintas da Madeira (123,2 euros), mas o tipo de estabelecimento que teve o maior crescimento homólogo foi o dos hotéis de duas e uma estrela (mais 85,4% face a 2021, para 48,6 euros).

Entre as várias regiões, o INE destaca que os valores de RevPAR mais elevados foram registados na Área Metropolitana de Lisboa (117,7 euros) e no Algarve (87,6 euros). Adicionalmente, o gabinete estatístico nota que a Área Metropolitana de Lisboa concentrou 30,7% dos proveitos totais e 32,2% dos relativos a aposento.

No conjunto dos primeiros nove meses do ano, o gabinete estatístico indica que “os proveitos totais cresceram 143% e os relativos a aposento aumentaram 144,1%” face ao mesmo período do ano passado e 14,3% e 15,4% face aos mesmos meses de 2019.

Neste período, foram também as pousadas e quintas da Madeira que registaram o RevPAR mais elevado (90,4 euros) e os hotéis de duas e uma estrela que mais cresceram (116,6%).