Economia

EDP disponibiliza um milhão de euros para levar energia renovável a comunidades remotas em África

Foto: EDP
Foto: EDP

No âmbito da quarta edição do Fundo A2E, a EDP vai alocar um milhão de euros para o financiamento de projetos de energia renovável envolvendo comunidades remotas em países africanos

A EDP vai alocar um milhão de euros para o financiamento de projetos de energia renovável envolvendo comunidades remotas em países africanos, anunciou a energética portuguesa esta segunda-feira, 14 de novembro.

O milhão de euros, que virá da quarta edição do Fundo Access 2 Energy (A2E, o fundo de responsabilidade social da EDP), vai recair em nove projetos de promoção de “acesso a energia renovável em comunidades remotas e vulneráveis em quatro países africanos: Moçambique, Nigéria, Angola e Maláui”, segundo o comunicado da energética.

Os promotores dos quatro projetos nigerianos são “a We Care Solar (energia para maternidades), a Konexa (eletrificação de postos clínicos e comunidades adjacentes), a Reeddi (cápsulas solares para famílias e pequenos negócios) e a Optimal Greening Foundation (projeto de água potável e saneamento básico)”.

Já os três escolhidos de Moçambique são “a Associação Educafrica (eletrificação de equipamentos escolares e comunitários numa ilha piscatória), a ADPP Moçambique (sistema de refrigeração para mercado de peixe) e a Fundación Energia sin Fronteras (eletrificação de herdade agrícola de orfanato)”.

Em Angola, a EDP selecionou a “Fundação Cuerama, com um projeto de eletrificação de equipamentos que servem uma comunidade”, ao passo que no Maláui, o escolhido foi “a aQysta Malawi, com um sistema de processamento agrícola alimentado a energia solar”.

A EDP calcula impactar 40 mil pessoas como beneficiários diretos e 900 mil pessoas indiretamente.

O Fundo A2E, nas quatro edições, “disponibilizou um total de 2,5 milhões de euros para apoiar 29 projetos em sete países africanos”, nomeadamente Angola, Maláui, Moçambique, Nigéria, Quénia, Ruanda e Tanzânia.

Tem dúvidas, sugestões ou críticas? Envie-me um e-mail: piquete@expresso.impresa.pt

Comentários

Assine e junte-se ao novo fórum de comentários

Conheça a opinião de outros assinantes do Expresso e as respostas dos nossos jornalistas. Exclusivo para assinantes

Já é Assinante?
Comprou o Expresso?Insira o código presente na Revista E para se juntar ao debate
+ Vistas