Economia

Banco central da Suíça regista até setembro as maiores perdas da sua história

31 outubro 2022 8:08

getty images

O banco central suíço perdeu o equivalente a 143 mil milhões de euros até setembro devido à desvalorização da sua carteira de ativos

31 outubro 2022 8:08

O banco central suíço registou, de janeiro a setembro, as maiores perdas da sua história de 115 anos, com a desvalorização dos ativos que tem em carteira, como obrigações, ações e moeda estrangeira, a impactarem negativamente as contas.

Segundo notícia da Reuters desta segunda-feira, 31 de outubro, o Banco Nacional da Suíça apresentou perdas de 142,2 mil milhões de francos suíços (cerca de 143 mil milhões de euros ao câmbio atual), com a carteira de investimentos - muitos deles efetuados para manter a cotação do franco suíço nos mercados - a desvalorizar num contexto de inflação e de normalização global da política monetária.

As perdas cambiais cifraram-se, de janeiro a setembro, nos 24,4 mil milhões de francos suíços (24,6 mil milhões de euros), ao passo que as relativas à cotação das reservas de ouro - um ativo que noutras circunstâncias valoriza quando ativos de risco como ações desvalorizam - foram de 1,1 mil milhões de francos (1,11 mil milhões de euros).

A culpa é, segundo os analistas ouvidos pela Reuters, do ambiente económico de “estagflação”, em que fraco ou nulo crescimento económico, aliado a taxas de inflação alta, tem um impacto negativo na cotação até de ativos que, noutras circunstâncias, seriam de refúgio, como as obrigações e o ouro.

Os especialistas dizem que, mesmo se o banco alcançar património líquido negativo, esperam que no longo-prazo os ativos revalorizem e representem um ganho para a instituição.

O banco central não vai falir, por ter capacidade de criar mais francos suíços, nem deverá ver o seu mandato de garante da estabilidade dos preços ameaçado, mas não deverá pagar dividendos ao Estado helvético em 2023, segundo a Reuters.

O montante total de ativos em carteira do banco central suíço era, no final do ano passado, de 204 mil milhões de francos (206 mil milhões de euros).