Economia

Atividade da zona euro cai em setembro pelo terceiro mês consecutivo e mais acentuadamente

23 setembro 2022 12:08

Foto: Getty Images

A atividade da zona euro contraiu-se em setembro pelo terceiro mês consecutivo e mais acentuadamente do que nos meses anteriores, nota um índice da S&P Global

23 setembro 2022 12:08

A atividade da zona euro contraiu-se em setembro pelo terceiro mês consecutivo e mais acentuadamente do que nos meses anteriores, o que, juntamente com a deterioração dos indicadores de encomendas e expectativas, aponta para novos declínios de atividade no futuro.

O índice PMI (Purchasing Managers' Index) de atividade na zona do euro da S&P Global, que agora integra o IHS Markit, publicado esta sexta-feira foi de 48,2 pontos, menos sete décimas do que em agosto e novamente abaixo dos 50 pontos que separam o crescimento da contração.

A contração de setembro foi a maior desde janeiro de 2021 e foi impulsionada pelo setor industrial, que no seu quarto mês consecutivo de declínio de atividade marcou a contração mais rápida desde maio de 2020.

A atividade do setor dos serviços também caiu, pelo segundo mês consecutivo, arrastada pelas viagens, turismo, lazer, serviços imobiliários e seguros.

A atividade económica na Alemanha registou em setembro o nível mais baixo desde maio de 2020, enquanto a França manteve um ligeiro aumento graças aos serviços.

No que diz respeito aos indicadores prospetivos, as novas encomendas de bens e serviços caíram "acentuadamente", especialmente no setor industrial, apontando para "uma maior aceleração do declínio da atividade total em outubro".

Apesar de um volume de encomendas mais baixo e de uma redução das encomendas a concluir, que apontam para um excesso de capacidade em relação à procura, o emprego ficou inalterado.

Em setembro, as empresas europeias relataram um abrandamento da escassez de componentes e uma melhoria na logística, embora a escassez de componentes e os mercados energéticos ainda condicionem a capacidade de produção.

Paralelamente, os custos registaram o maior aumento desde junho devido à inflação energética e aos preços mais elevados pagos, que não puderam ser compensados pela melhoria da situação de abastecimento de matérias-primas.

Os preços cobrados aumentaram ao ritmo mais rápido desde junho.

Em termos de expectativas, os empresários estavam pessimistas quanto à sua atividade para os doze meses seguintes, com a confiança no nível mais baixo desde maio de 2020, tendo caído de forma particularmente significativa na Alemanha.

Este pessimismo baseia-se principalmente em preocupações sobre os preços da energia, o efeito da inflação sobre a procura, o aumento das taxas de juro, a guerra na Ucrânia e os problemas na cadeia de abastecimento.