Economia

Previsão: economias emergentes da Ásia vão crescer mais do que a China em 2022

21 setembro 2022 8:59

str

O Banco Asiático de Desenvolvimento prevê que a China cresça 3,3% este ano, um crescimento superado, pela primeira vez em 30 anos, por países emergentes como a Índia e as Filipinas

21 setembro 2022 8:59

O crescimento da economia chinesa em 2022 será superado pelos países em desenvolvimento da Ásia, pela primeira vez em 30 anos, disse esta quarta-feira, 21 de setembro, o Banco Asiático de Desenvolvimento.

Num relatório, o banco prevê que a economia da China cresça 3,3% este ano, uma revisão em baixa da previsão de 5% feita em abril, devido às políticas implementadas por Pequim para combater surtos de covid-19.

O Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB, na sigla em inglês), cuja sede fica na capital das Filipinas, Manila, reviu também em baixa a previsão para o crescimento da economia chinesa para 2023, de 4,8% para 4,3%.

A China, a segunda maior economia do mundo e o principal motor económico da Ásia, verá o seu crescimento superado por países emergentes, como Índia (7%), Filipinas (6,5%), Vietname (6,5%), Paquistão (6%), Malásia (6%) e Indonésia (5,4%).

Ao abrigo da estratégia de “zero casos” de covid-19, a China tem apostado na testagem em massa da população e em confinamentos para evitar a propagação de casos de Ómicron, a variante dominante do novo coronavírus, considerada muito contagiosa.

Essas medidas, juntamente com o aperto das políticas monetárias da maioria dos bancos centrais mundiais para combater a inflação e os efeitos económicos da guerra na Ucrânia, irão afetar o crescimento da China, previu o ADB.

"O crescimento na China enfrenta desafios vindos dos confinamentos recorrentes e de um fraco setor imobiliário ", disse o economista-chefe do banco Albert Park, num comunicado.

Um especialista para a China do ADB Hao Zhang disse que os confinamentos decretados por Pequim "reduziram drasticamente" o crescimento, embora espere uma recuperação na segunda metade do ano, "com a melhoria dos serviços e da procura de casas".

Park advertiu que “os riscos estão à espreita” para os países em desenvolvimento da Ásia, porque “uma desaceleração significativa na economia global prejudicará gravemente a procura pelas exportações da região”.

“Um ajuste monetário mais forte do que o esperado nas economias desenvolvidas poderá levar a uma instabilidade financeira”, disse.

O ADB previu ainda que a inflação na China atinja 2,3% em 2022, enquanto nas economias em desenvolvimento da Ásia atingirá uma média de 4,5%.