Economia

Imobiliário: este ano já é o melhor desde 2012 no mercado de escritórios de Lisboa

20 setembro 2022 13:59

Novos escritórios têm menos densidade de secretárias e mais áreas colaborativas

getty images

O ano 2022 é o melhor ano dos últimos dez no mercado de escritórios da capital, segundo a consultora imobiliária JLL, com uma grande procura de empresas por espaços e grande escassez de oferta

20 setembro 2022 13:59

A ocupação acumulada de espaço de escritórios em Lisboa, de janeiro a agosto, de 207.300 metros quadrados (m2) já faz com que o ano 2022 seja o melhor ano dos últimos dez neste mercado da capital, de acordo com o relatório mensal Office Flashpoint da consultora JLL, divulgado esta terça-feira, 20 de setembro.

No período em questão, foram realizadas 141 operações, com uma área média de 1470 m2. Segundo dados da consultora, por mês foram negociados em Lisboa, em média, um pouco mais de 25.000 m2 de escritórios, num acumulado de 207.300 m2, concentrando-se 32% dessa área no Parque das Nações.

“A manter o ritmo que vimos até agora, a ocupação até final do ano tem condições para ultrapassar os 230.000 m2”, segundo Sofia Tavares, diretora de arrendamento de escritórios da JLL, citada no comunicado.

As empresas de serviços financeiros foram, segundo a JLL, as que mais absorveram espaço, com 42% do acumulado.

Só em agosto, foram negociados, em Lisboa, 20.500 m2, com o Parque das Nações a representar 53% da ocupação mensal, maioritariamente (83%) por empresas de tecnologia, telecomunicações e utilities.

"Não temos qualquer expectativa de que o mercado perca dinâmica (…). O único desafio à absorção de mais espaço tem sido a falta de capacidade da oferta em responder. Daí que uma boa parte dos negócios sejam num modelo de ocupação futura, com várias operações de pré-arrendamento e de ocupação-própria”, detalha a responsável.

Já no Porto, segundo a JLL, “agosto foi um mês de pouca atividade, com cerca de 1000 m2 ocupados, dos quais 63% na zona CBD ["Central Business District", área central da cidade] - Boavista”.

“Em termos acumulados, o mercado do Porto soma 33.400 m2, volume que supera em 30% o absorvido em igual período do ano passado. Até agosto concretizaram-se 42 operações, com uma área média em torno dos 800 m2”, acrescenta o comunicado.