Economia

ISEG revê em baixa estimativa de crescimento da economia portuguesa para este ano

16 setembro 2022 15:56

josé sena goulão/lusa

Os economistas do ISEG estimam que a economia portuguesa cresça entre 6% e 6,4% em 2022, uma estimativa inferior à anterior (entre 6,4% e 6,8%)

16 setembro 2022 15:56

Os economistas do ISEG reviram em baixa o intervalo mínimo de crescimento da economia portuguesa para este ano, estimando agora uma subida entre 6% e 6,4%, de acordo com a Síntese de Conjuntura divulgada esta sexta-feira.

Na Síntese de Conjuntura de julho, o ISEG esperava um crescimento entre 6,4% e os 6,8%.

"Com a informação atualmente disponível, considera-se que no terceiro trimestre de 2022 o PIB [Produto Interno Bruto] possa vir a decrescer entre -0,4% e 0% em relação ao trimestre anterior e crescer entre 3,8% e 4,3% em relação ao trimestre homólogo", lê-se no documento.

"Para a totalidade de 2022, o crescimento do PIB é revisto para valores entre 6% e 6,4%", adiantam os economistas do ISEG.

Com base "na evolução e nas sugestões dos indicadores parciais disponíveis, admite-se que a economia portuguesa possa vir a decrescer ligeiramente, em cadeia, no terceiro trimestre".

No que respeita à evolução das principais componentes da procura interna, "espera-se uma tendência de retração do consumo privado em volume, por efeito da inflação, ainda que esta possa ser bastante compensada pelo crescimento da procura automóvel, cuja oferta parece, entretanto, estar a ser corrigida".

Em termos de investimento, "a evolução do consumo de cimento sugere que, para já, poderá continuar a decrescer em cadeia e em termos homólogos". Ao mesmo tempo, "o contributo da procura externa líquida continuará positivo em termos homólogos, mas, com correção sazonal, tenderá a ser mais reduzido no terceiro trimestre".

Em síntese, "um crescimento em cadeia entre -0,4% e 0% e um crescimento homólogo entre 3,8% e 4,3% são, para já, os valores assumidos como mais prováveis para o terceiro trimestre", sendo que "esta previsão será reavaliada dentro de um mês com a informação entretanto disponibilizada", sublinham os economistas do ISEG.

Relativamente ao crescimento do PIB este ano, é agora "considerado mais provável" que se situe entre 6% e 6,4%, embora estes valores estejam "sujeitos a revisão, em particular após a divulgação pelo INE [Instituto Nacional de Estatística] das Contas Nacionais finais relativas a 2020 (a 23 de setembro) que poderão, tal como nos anos anteriores, levar o INE a corrigir alguns dos valores provisórios disponibilizados para 2021 e 2022".