Economia

EDP Gás já recebeu 2500 pedidos de adesão às tarifas reguladas em menos de uma semana

12 setembro 2022 14:03

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

nigel roddis/reuters

A empresa do grupo EDP que faz a comercialização regulada de gás natural na região Norte está a receber cerca de 500 adesões por dia às tarifas reguladas, e passou a disponibilizar um formulário que os consumidores podem entregar por e-mail, dispensando o atendimento em loja

12 setembro 2022 14:03

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

A EDP Gás Serviço Universal, comercializador regulado de gás natural controlado pela EDP e que atua na região do Grande Porto, já teve mais de 2500 pedidos de adesão às tarifas reguladas de gás em menos de uma semana, desde que o Decreto-Lei 57-B/2022, publicado a 6 de setembro, veio reabrir o mercado regulado de gás aos consumidores domésticos e pequenos negócios.

Os mais de 2500 pedidos, número avançado esta segunda-feira por fonte oficial da empresa ao Expresso, foram recebidos entre quarta-feira e domingo, com uma média diária em torno de 500 adesões.

A confirmarem-se, as adesões nestes primeiros cinco dias da vigência do diploma, representam um crescimento superior a 8% na base de clientes da EDP Gás Serviço Universal, que ronda atualmente os 30 mil pontos de entrega.

A empresa já disponibiliza no seu site um formulário que permite aos consumidores interessados solicitar um novo contrato, que deve ser enviado por e-mail, pelo menos enquanto a empresa não disponibiliza a possibilidade de adesão direta na sua página na Internet (o Decreto-Lei 57-B/2022 concedeu aos comercializadores regulados 45 dias para o fazerem).

Esta é a alternativa de momento à deslocação à loja da EDP Gás Serviço Universal (na Rua Ofélia Diogo da Costa, perto da Casa da Música, no Porto), que registou logo nos primeiros dias da reabertura do mercado regulado uma elevada afluência de consumidores interessados em mudar para os preços regulados.

A EDP Gás Serviço Universal é responsável pela comercialização de último recurso na área do Grande Porto, que coincide com a concessão de distribuição de gás da Portgás (esta empresa, que pertencia à EDP mas é hoje do grupo REN, tem a concessão da distribuição, ou seja, faz a entrega física do gás entre a rede de transporte e o ponto de entrega, mas não tem qualquer responsabilidade na comercialização e faturação do gás, que ocorre através dos comercializadores).

A concessão da Portgás abrange 29 concelhos do Grande Porto e região Norte, com um total de 350 mil pontos de entrega, na sua larga maioria em baixa pressão, que é o universo elegível para regressar às tarifas reguladas.

O mercado de gás natural em Portugal soma cerca de 1,5 milhões de clientes domésticos e pequenos negócios, dos quais pouco mais de 200 mil já estão nas tarifas reguladas. O diploma aprovado pelo Governo na semana passada abre porta ao potencial regresso de 1,3 milhões aos comercializadores regulados, para escaparem aos aumentos que vários fornecedores já anunciaram para outubro.

Recorde-se que as novas tarifas da EDP Comercial para o mercado liberalizado de gás natural representam aumentos médios na fatura mensal dos seus 650 mil clientes da ordem dos 30 euros. A tarifa de energia do primeiro escalão de gás natural, por exemplo, irá aumentar 233% a 1 de outubro.

A Galp e a Goldenergy também já anunciaram aumentos de preços do gás em outubro, embora mais modestos do que os agora anunciados pela EDP (que durante o último ano não havia mexido nas suas tarifas). As tarifas reguladas terão em média um aumento de 3,9% em outubro, o que, ainda assim, as deixará mais baratas do que todas as opções dos vários comercializadores do mercado liberalizado.