Economia

Alta turbulência na TAP apesar de afastada a greve

1 julho 2022 14:34

TAP no meio de uma tempestade social, com o pico do verão a chegar

horacio villalobos/corbis via getty images

Verão ainda não está a salvo e reuniões com sindicatos continuam. TAP quer mais flexibilidade e trabalhadores querem reduzir cortes

1 julho 2022 14:34

A turbulência mantém-se elevada na TAP, apesar de esta segunda-feira os pilotos terem votado “conscientemente” contra a realização de uma greve, cenário que fragilizaria ainda mais a companhia. Os trabalhadores e a administração mantêm-se em campos opostos, e há um ambiente de grande desânimo. Não obstante a decisão de não avançar para a greve ter sido votada por 92% dos pilotos presentes na reunião, nada garante que as relações estejam apaziguadas, e no sector fala-se em “paz podre”. Estará a hipótese de greve enterrada de vez? Ninguém o pode garantir, e continua a haver uma fação dos pilotos a querer que todos os cenários estejam em aberto. A pressão é grande, já que houve cortes nos salários que se situaram entre os 52% e os 75%, avançou João Lira Abreu, da direção do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), ao Expresso.

Não é apenas uma questão de dinheiro que está em cima da mesa nesta batalha que opõe sindicatos e a gestão da TAP, os representantes dos trabalhadores estão preocupados com os futuros acordos de empresa — os que irão reger o trabalho depois de concluído o plano de reestruturação. As negociações já começaram e estão longe de chegar a bom porto. Houve, inclusive, já a denúncia do acordo de empresa do SPAC e os restantes sindicatos temem que os seus acordos também sejam suspensos. É que quando isso acontece há uma maior pressão para chegar a acordo, já que se isso não acontecer no prazo de um ano e meio é aplicada a lei geral de trabalho.