Economia

Agricultores reclamam estímulos à produção nacional de cereais e repudiam aumentos no preço dos combustíveis

8 junho 2022 15:29

Vítor Andrade

Vítor Andrade

Coordenador de Economia

Já faltam cereais nos mercados do Norte de África e do Médio Oriente

getty images

Ao encarecimento dos combustíveis somam-se, segundo a CNA, os aumentos na energia elétrica, nos fertilizantes, nos produtos fitofarmacêuticos, nas sementes e na maquinaria agrícola

8 junho 2022 15:29

Vítor Andrade

Vítor Andrade

Coordenador de Economia

Num contexto mundial de escassez de cereais e de subida dos preços, nomeadamente do trigo e do milho – em que Portugal é deficitário - a Confederação Nacional da Agricultura (CNA) diz que “é necessário estimular a produção nacional de cereais (…) e voltar a considerar a cultura de cereais de sequeiro, incluindo das variedades tradicionais, menos exigentes em água e imprescindíveis para a alimentação humana”.

Em comunicado divulgado esta quarta-feira, aquela organização de produtores agrícolas denuncia ainda e repudia, uma vez mais, o aumento do preço dos combustíveis, registado no início desta semana e condena “a inação do Governo” face a este problema, exigindo que, sem demoras, se avance para a regulação dos preços dos combustíveis.

Com o aumento de 9 cêntimos ocorrido no início desta semana, o gasóleo agrícola atingiu o valor de 1,6 euros por litro, quase o dobro, segundo a CNA, do valor do final de 2020 (0,83 euros por litro) e mais 46% que no final de 2021. A agricultura nacional não aguenta.

“Enquanto o Governo se recusa sequer a discutir a questão da regulação dos preços dos combustíveis, ficando-se pelo artifício das atualizações semanais do Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), de modo a contornar as imposições da União Europeia quanto ao IVA praticado nos combustíveis, as grandes petrolíferas acumulam lucros sobre lucros, ao mesmo tempo que os agricultores, prestadores de serviços agrícolas e consumidores estão cada vez mais esmagados por esta escalada irracional de preços”, denuncia ainda a CNA.

E recorda que, para os agricultores, estes aumentos nos combustíveis somam-se aos aumentos na energia elétrica, nos fertilizantes, nos produtos fitofarmacêuticos, nas sementes e na maquinaria.

Ainda sobre a questão dos cereais, os agricultores representados pela CNA recordam ainda que, mais do que garantir um nível de “abastecimento estratégico”, é urgente avançar para uma verdadeira soberania alimentar em Portugal, “garantindo a todos o acesso a alimentos de proximidade e de qualidade, e garantindo que as agricultoras e os agricultores se mantêm a produzir, em particular os pequenos e médios, que são os que mais veem a viabilidade das suas explorações em risco”.