Economia

Credit Suisse encerra caso de espionagem ao chegar a acordo com ex-gestor

26 julho 2021 14:01

arnd wiegmann/reuters

Em 2019 o Credit Suisse contratou um investigador privado para seguir o seu antigo gestor de patrimónios, Iqbal Khan. As duas partes estavam em litígio, mas chegaram agora a um acordo

26 julho 2021 14:01

O grupo Credit Suisse disse que já chegou a um acordo com o seu antigo gestor de patrimónios, Iqbal Khan, e uma firma de detetives privados, noticiou a "Bloomberg". O objetivo é encerrar o escândalo de espionagem que abalou o banco e acabou por levar à demissão, em 2020, do seu presidente executivo da altura, Tidjane Thiam.

"Todas as partes envolvidas concordaram em chegar a acordo, e este assunto está agora encerrado", disse um porta-voz do banco no domingo.

Segundo a "Bloomberg", não foram revelados mais pormenores, mas ainda está a decorrer uma investigação por parte do regulador financeiro suíço sobre as atividades de vigilância da empresa.

O caso de espionagem data de 2019, quando o Credit Suisse contratou um investigador privado para seguir Khan, que era então tido como um potencial sucessor no lugar de presidente executivo, antes de transitar para o banco concorrente UBS. O incidente culminou num confronto físico no centro de Zurique entre Khan e os homens que o seguiam.

Desde maio que o gestor português António Horta-Osório é o presidente não executivo do Credit Suisse. O português têm enfrentado várias crises no banco, nomeadamente a saída de banqueiros seniores e, por isso, prometeu rever os seus negócios.