Economia

Crise. A recuperação em V que não se vê

17 outubro 2020 10:09

gonçalo fonseca

A zona euro só deverá recuperar do colapso de 2020 daqui a dois anos, revelaram esta semana as projeções do FMI

17 outubro 2020 10:09

O V é a letra do abecedário mais desejada pelos políticos em tempo de crise. Como o desenho da própria letra sugere, depois de uma queda a pique da economia segue-se uma recuperação na vertical em curto tempo que recoloca rapidamente o país na situação em que estava antes de a recessão rebentar.

Mas a fazer fé nas projeções avançadas esta semana pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), com a exclusão da China — que nem sequer entrou em recessão este ano —, da Ásia do sudoeste e da Irlanda na zona euro, não se vislumbra nenhum V em 2021 para a esmagadora maioria das economias do planeta. No caso de Portugal e da zona euro no seu conjunto, a retoma só deverá estar concluída em 2022, segundo as previsões do FMI. No entanto, para Espanha e França, dois dos principais clientes do nosso país, ela só se conclui em 2023 e no caso de Itália fica adiada para 2025 (ver gráfico).