Economia

Gravações automáticas de Meo, Nos e Vodafone vão passar a ter 30 segundos de publicidade

13 agosto 2020 20:01

Imagem dos avisos que a Meo começou a apresentar aos consumidores, relativamente à publicidade nas gravações automáticas

As gravações automáticas de canais de TV vão passar a ter anúncios de 30 segundos. A iniciativa junta as três maiores operadoras e a Accenture e deverá começar a expandir-se gradualmente, no início da próxima semana

13 agosto 2020 20:01

Os três maiores operadores de TV paga vão passar a inserir 30 segundos de publicidade como condição de acesso às gravações automáticas de diferentes canais. A inserção de anúncios publicitários vai ser feita gradualmente, tendo em conta os modelos de boxes que existem nas casas dos consumidores e o número de canais de TV que aderirem a esta iniciativa, que conta com o suporte da Accenture. Meo, Nos e Vodafone informam que a iniciativa começa a produzir efeito a partir de 17 de agosto.

Os anúncios estão integrados nas gravações automáticas e os consumidores apenas poderão decidir se preferem publicidade genérica ou personalizada.

Contactados pelo Expresso, os operadores recordam que a iniciativa pretende seguir as tendências de outros países que já exploram a publicidade de gravações automáticas. Os operadores disponibilizam a ferramenta, mas a inserção de anúncios nas gravações automáticas será decidida pelos canais, que são os detentores dos direitos de transmissão e exploração comercial dos conteúdos. E, por isso, a inserção de publicidade deverá contemplar uma repartição de receitas entre canais (que deverão ficar com a maior fatia), operadores, Accenture e agências especializadas na inserção da publicidade.

Os denominados canais over the top (como o Netflix e o HBO, entre outros) não serão abrangidos por esta iniciativa – até porque a lógica de gravações automáticas não se aplica a este tipo de serviços.

A publicidade só é inserida em gravações automáticas dos canais aderentes a esta iniciativa. Até à publicação deste texto, Meo, Nos e Vodafone não indicaram quantos canais de TV aderiram à nova modalidade de publicidade. E nenhum dos operadores refere se há intenção de inserir igualmente publicidade nas populares funcionalidades de “andar para trás” e “andar para a frente” que hoje são disponibilizadas nas emissões em direto na larga maioria dos canais de TV.

Apesar de ser um requisito indispensável para aceder às gravações automáticas dos canais aderentes, os operadores reiteram que, pelo menos nesta primeira fase, os anúncios pretendem ser o menos intrusivos possível.

A publicidade será inserida num espaço que ainda não estava a ser utilizado para fins publicitários. Este novo modelo foi desenhado com a preocupação de não ser um formato intrusivo para o telespetador. Na prática, os utilizadores passam a visualizar um pequeno anúncio até 30 segundos antes de algumas gravações, estando previsto, nesta fase inicial, que isso aconteça uma vez a cada dois dias”, refere a Vodafone, numa resposta por e-mail para o Expresso.

A Meo também confirma que os anúncios serão inseridos no ínício da sessão das gravações automáticas. Cada anúncio terá 30 segundos de duração. Nem todos os canais ou sessões gravadas serão alvo de publicidade e "serão sempre respeitados períodos de guarda que salvaguardem a boa experiencia o cliente", garante a Altice.

A Nos não refere a periodicidade da inserção dos anúncios de 30 segundos, mas promete uma “boa experiência de utilização”.

“À semelhança do que se verifica nos restantes formatos de publicidade em televisão, não existe forma de excluir a publicidade da programação. O que este novo modelo traz de diferente é a possibilidade de a publicidade ser segmentada consoante o perfil e preferências televisivas de cada utilizador. O cliente terá sempre a opção de escolher entre publicidade personalizada ou genérica”, acrescenta a Nos, por e-mail.

A inserção de publicidade tem como propósito compensar os canais de TV pela migração dos telespetadores para as emissões gravadas em detrimento das denominadas emissões lineares, que seguem os horários de transmissão. O novo espaço publicitário terá assim a função de criar uma fonte de receita aos anúncios inseridos nas emissões lineares que passaram a ser facilmente evitados pelos telespetadores através das funcionalidades que "andam para a frente" nas gravações automáticas.

"Com esta evolução de tendências, surgiu uma necessidade de adaptação dos modelos de negócio que garantam o investimento contínuo dos canais, para manterem a produção de conteúdos de qualidade e a preservação da diversidade. Os tradicionais anúncios publicitários que sempre fizeram parte do consumo de conteúdos de televisão linear, são fundamentais para a viabilização do modelo económico que permite aos canais manterem investimento em conteúdos, pelo que se torna premente a adoção de novas práticas que permitam dar resposta a esta necessidade, adaptada à nova realidade", explica a Altice quando questionada pelo Expresso.

O novo espaço publicitário só arranca a 17 de agosto, mas a Meo já começou a enviar alertas a quem acede às gravações automáticas, relativamente à alteração de termos e condições contratuais e para a necessidade de dar o consentimento para a nova versão das gravações automáticas com publicidade.

A Altice explica que essas alterações contratuais dizem apenas respeito à inserção de publicidade nas gravações automáticas - e por isso não deverão ser interpretadas como uma alteração ao contrato do serviço de telecomunicações na sua totalidade. Nesses alertas, a Meo informa ainda que os dados relacionados os hábitos de visualização de TV dos telespectadores que enveredarem pela publicidade personalizada poderão ser alvo de análise. A operadora garante que os dados são devidamente anonimizados e eliminados depois de analisados que e não há partilha dessa informação com os operadores concorrentes.