Economia

Pires de Lima ao Expresso: “Bank of America está interessado em fusões e aquisições e no financiamento de empresas portuguesas”

19 março 2019 13:21

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

fernando veludo / nfactos exclusivo para expresso

O antigo ministro da Economia confirmou ao Expresso que foi contratado pelo Bank of America para procurar novas oportunidades de negócio em Portugal, funções que Pires de Lima acumulará com os cargos que já desempenha

19 março 2019 13:21

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

O economista e gestor António Pires de Lima vai ser consultor do Bank of America Merril Lynch para o mercado português e ajudará a instituição financeira norte-americana a detetar oportunidades de negócio num mercado onde não tem presença física. Apoiar operações de fusão e aquisição será um dos objetivos, afirmou Pires de Lima ao Expresso.

"Portugal é um país que tem cumprido as regras da estabilidade financeira e por isso é um país interessante para um banco com o posicionamento do Bank of America, que estará interessado em explorar oportunidades na área de M&A ("mergers and acquisitions", ou fusões e aquisições) e até no financiamento a empresas portuguesas com alguma dimensão", declarou o gestor, admitindo ainda que o Bank of America estará igualmente interessado no "financiamento às instituições financeiras" que operam em Portugal.

Pires de Lima, que foi ministro da Economia entre 2013 e 2015, acrescentou que será consultor do Bank of America, com "um contrato simples, que vai sendo renovado", sem fazer parte da estrutura do banco. "Eles sentiram necessidade de me contratar para ajudá-los na deteção de oportunidades", contextualizou.

A contratação de Pires de Lima pelo Bank of America foi avançada esta terça-feira pelo "Jornal de Negócios", que indicava que a opção do banco norte-americano visava reforçar o contacto com alguns clientes seus em Portugal mas também explorar novas relações de negócio neste mercado.

António Pires de Lima notou ao Expresso que a consultoria ao Bank of America não será exercida a tempo inteiro, uma vez que manterá os cargos e funções que já tem, nomeadamente no fundo de infra-estruturas liderado por Sérgio Monteiro, na empresa Advent e em vários conselhos de administração, como o da Fundação de Serralves.