Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Luz, a que preço. Saiba qual é o mais baixo

Pedro Andersson

Pedro Andersson

texto

Jornalista

É uma das perguntas que mais vezes me fazem. Quer a resposta? Também eu! Se está à espera que lhe diga assim de repente que é a A ou a B, esqueça. Não é possível fazer isso. Mas vou dar-lhe uma dica para saber JÁ se está a ser “enganado” ou não. É muito simples e só tem de ver a sua última fatura de eletricidade.

(Eu espero enquanto vai ao email ou ao dossiê buscá-la)

(Música de elevador)

Já a tem? Ótimo.

Como sabe, convenceram-nos a sair da EDP “antiga” (EDP Serviço Universal) com o argumento que no mercado regulado seria SEMPRE mais barato. Ora, isso já não está a acontecer em certas empresas e tarifários. Tem de estar atento.

É importante saber que todas as faturas da luz já indicam claramente (sem “camuflagens”) se valeu a pena ou não (e por quanto) ter saído do mercado regulado para o liberalizado. Para os consumidores poderem comparar as tarifas, cá no fundinho da fatura de eletricidade tem uma linhazinha com uma frase que explica a diferença de valor entre o preço praticado na sua fatura pessoal face ao que seria cobrado com a tarifa regulada.

Por exemplo, na minha fatura de eletricidade diz lá que no mês passado poupei 1,57 euros por ter mudado para o mercado regulado. Para quem não sabe fazer as contas, pode ser uma boa ajuda todos os meses para avaliar se está a ser “distraído” ou se é um consumidor atento. E permite ver que as poupanças podem não ser tão grandes como querem fazer crer (isso já percebi há muito tempo). Mas poupar pouco é melhor do que não poupar nada. Digo eu.

A frase na fatura pode mudar de fornecedor para fornecedor, mas o que interessa é que deve procurar nestas letras miudinhas a sua poupança real todos os meses. Se verificar que é uma poupança ridícula procure uma empresa melhor ou se estiver a pagar mais do que no mercado regulado ameace sair da sua atual fornecedora ou regresse mesmo ao mercado regulado, se o entender.

PODE REGRESSAR AO MERCADO REGULADO (EDP “ANTIGA”)

Os consumidores domésticos em mercado livre que optem pelo novo regime equiparado devem solicitar a mudança de tarifa ao comercializador responsável pelo fornecimento, tendo este dois dias úteis para responder ao cliente. Se a resposta do comercializador, que terá que ser dada por escrito, for negativa, o cliente pode celebrar contrato com o comercializador de último recurso – EDP Universal –, “estando essa cessão isenta de quaisquer ónus ou encargos para o cliente”, diz a lei. Isto é, os comercializadores em regime de mercado podem optar por praticar as tarifas transitórias (reguladas), definidas anualmente pela ERSE, sendo que não podem estar condicionadas “à contratação de qualquer serviço ou produto adicional ou acessório ao fornecimento de energia elétrica”.

A decisão de extinguir, de forma gradual, todas as tarifas reguladas de venda de eletricidade a clientes finais foi tomada em 2012, dando cumprimento às imposições da Comissão Europeia e do memorando de entendimento com a troika. Mas o prazo para os consumidores abandonarem o mercado regulado, previsto para este ano, e se mudarem para um comercializador de eletricidade em mercado livre, foi prolongado por mais três anos, para 2020. Uma família que opte por regressar ao mercado regulado de eletricidade pode manter o fornecedor em mercado livre, mas com a tarifa definida anualmente pelo regulador.

VEJA A SUA FATURA

Cá em baixo – nas letras pequeninas – diz se está a poupar e quanto. Mas antes de regressar ao mercado regulado, recordo-lhe que há muitas empresas que, embora pouco, têm preços mais baixos do que no mercado regulado. É uma questão de procurar e fazer contas.

Mas respondendo à pergunta do título, olhando para a sua fatura fica logo a saber pela tal linhazinha se está a pagar mais barato ou mais caro do que no mercado regulado. Isso já é um bom começo para os mais distraídos. Veja essa linha todos os meses. Se não estiver a poupar nada ou muito pouco (abaixo de um euro), está na altura de mudar de fornecedor de eletricidade. Para qual? Isso são outras contas.