Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Presidente da Fed faz cair Wall Street

Jerome Powell, presidente da Reserva Federal

SAUL LOEB/Getty

Depois do início esta quarta-feira da conferência de imprensa de Jerome Powell, o presidente do banco central norte-americano, comentando as decisões tomadas na reunião de politica monetária, o principal índice da bolsa, o Dow Jones, perdeu 0,7%. As duas bolsas de Nova Iorque fecharam no vermelho

Jorge Nascimento Rodrigues

As duas bolsas de Nova Iorque voltaram a fechar esta quarta-feira no vermelho, com os principais índices a cair ao longo da conferência de imprensa de Jerome Powell, o presidente da Reserva Federal (Fed), o banco central norte-americano.

Nas duas horas finais de negociação na sessão desta quarta-feira, o mais importante índice de Wall Street, o Dow Jones 30 (DJ30), perdeu 193 pontos, caindo 0,7%.

As duas bolsas de Nova Iorque - New York Stock Exchange e o Nasdaq - fecharam no vermelho, com o DJ 30 a perder 0,4%, o S&P 500 a recuar 0,29% e o Nasdaq a cair 0,21%. O índice MSCI para as duas bolsas perdeu 0,34%, o que influenciou negativamente o índice mundial que caiu 0,15%.

Powell, apesar de declarar que "não comentava factos políticos", sublinhou que a Fed tem registado por todo o país "um coro de preocupações" por parte dos meios de negócios norte-americanos com a guerra comercial em curso. Ainda que os efeitos da atual escalada não se revelem nos "números" (no quadro macroeconómico), o presidente da Reserva Federal frisou que os banqueiros centrais estão preocupados "a longo prazo sobre para onde vamos". "Se chegarmos a taxas aduaneiras amplas e duradouras, isso será mau para a economia norte-americana", acrescentou. Reforçou que é "um risco, uma preocupação", mas que "até vermos o impacto nos números é difícil dizer como reagir".

Sobre a política orçamental da Administração Trump, reconheceu que a economia norte-americana vive "um momento bastante bom", com um crescimento de 3,1% previsto para este ano, uma situação de pleno emprego, e a inflação ligeiramente acima da meta da política monetária de 2%., mas concluiu que a Fed está a monitorizar permanentemente a situação, em particular o comportamento da inflação, para ajustar a política monetária. Acrescentou que o banco central está atento à dívida empresarial, mas concluiu que "as vulnerabilidades" da economia e do sistema financeiro "são baixas".

Sobre as lições da crise financeira iniciada há dez anos, Jerome Powell sublinhou: "Estamos determinados a não esquecer as lições, apesar do habitual ser esquecê-las".

  • Fed sobe juros e deixa de falar de política de estímulos

    O banco central norte-americano anunciou esta quarta-feira um novo aumento da taxa diretora para 2-2,25% e deixou de referir na comunicação oficial a menção a que prossegue uma política de estímulos. Mas Jerome Powell, presidente da Reserva Federl, sublinhou que isso não implica qualquer alteração da estratégia gradualista