Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

O extraordinário extrato bancário que levou a CGD a tomar a iniciativa de investigar Sócrates

A entrada de 520 mil euros na conta de Sócrates da CGD no intervalo de apenas 12 meses, a partir da conta da mãe, e os gastos sem limites do ex-primeiro ministro levaram o compliance do banco a abrir um “processo de investigação” interno e a partilhá-lo com as autoridades

Nuno Botelho

O relatório do banco público sobre suspeitas sobre a conta de José Sócrates que foi entregue à PJ em abril de 2013, e viria dar origem à Operação Marquês, foi acompanhado de dez páginas de extratos bancários que mostravam já um ritmo de gastos exorbitantes. No dia em que começaram as sessões da fase de instrução do maior processo de corrupção de sempre em Portugal, o Expresso regressa aqui a esse início dos inícios

Micael Pereira

Micael Pereira

texto

Jornalista

É preciso recuar até abril de 2013 e pensar que na altura não se sabia nada do que veio a saber-se depois para poder ter uma ideia do impacto que terá sido para os funcionários do departamento de compliance da Caixa Geral de Depósitos (CGD) observar o comportamento invulgar da conta bancária de um dos seus mais famosos clientes. Um relatório de três páginas com os resultados de uma investigação interna no banco público a entradas avultadas de dinheiro, num total de meio milhão de euros entre 2011 e 2012 na conta do ex-primeiro-ministro José Sócrates, com o recurso a uma conta da sua mãe como “conta de passagem”, foi entregue a 12 de abril de 2013 à Unidade Informação Financeira (UIF) da Polícia Judiciária (PJ) acompanhado de dez páginas de extratos bancários.

Isso foi a uma sexta-feira e logo na segunda-feira seguinte, 15 de abril de 2013, o relatório da CGD e os extratos bancários que iam como anexos foram convertidos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) num processo administrativo, o PA 806/2013, cuja versão integral só passou a estar disponível este mês, depois de mais de 500 páginas terem sido mantidas em segredo ao longo dos últimos cinco anos e meio pelo Ministério Público.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. Pode usar a app do Expresso - iOS e Android - para descarregar as edições para leitura offline)