Siga-nos

Perfil

Expresso

Diário

Governo preocupado e polícia atenta a um protesto que ninguém sabe o que será

Reuters

Movimento nas redes sociais promete “parar Portugal”. Há 74 ações marcadas para esta sexta-feira e 12 câmaras municipais, de Norte a Sul do país, foram notificadas de diversas iniciativas, que arrancam de madrugada. Polícia está atenta a “manifestações de grande dimensão” e o Governo admite que um evento deste “merece sempre preocupação”

Hugo Franco

Hugo Franco

texto

Jornalista

Raquel Albuquerque

Raquel Albuquerque

texto

Jornalista

Rosa Pedroso Lima

Rosa Pedroso Lima

texto

Jornalista

Já se sabe quando e como começa, mas ninguém arrisca dizer como e quando vai acabar. O movimento dos 'coletes amarelos' chega, esta sexta-feira, oficialmente a Portugal e há alertas deixados em 17 autarquias do país para protestos que terão a forma de marchas lentas, concentrações ou manifestações de protesto.

Nove destas autarquias - Almada, Lisboa, Coimbra, Viseu, Leiria, Caldas da Rainha, Aveiro, Faro e Braga - confirmaram ao Expresso terem recebido uma comunicação da realização de protestos no dia 21 de dezembro. No caso da capital, as ações estão marcadas para as 7 horas da manhã, na Praça Marquês de Pombal, e para as 17h30, frente ao Palácio de Belém. A estas câmaras, junta a direção nacional da PSP informação de que também o Porto, os Açores e a Madeira, assim como as câmaras municipais de Bragança, Castelo Branco, Évora, Santarém, Setúbal e Viana do Castelo foram notificadas sobre iniciativas afecas aos Movimento dos 'Coletes Amarelos' portugueses. Por lei, as autarquias têm apenas de ser informadas dos protestos a realizar. A polícia proibiu o protesto que estaria a ser preparado para as portagens de Alverca da A1(sentido Norte-Sul), naquilo que pretendia ser um bloqueio a todos os acessos rodoviários a Lisboa.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. Pode usar a app do Expresso - iOS e Android - para descarregar as edições para leitura offline)