Cultura

Pode a ficção ser julgada com as bitolas morais da realidade? O escritor Javier Marías considerava que 'não'

24 janeiro 2023 16:50

Javier Marías

j. p. gandul/epa

O episódio ocorrido no passado fim de semana, no Teatro S. Luiz, teria horrorizado o escritor espanhol, falecido em setembro passado, que defendia a total distinção entre os territórios reais e ficcionais. “Nunca como hoje se julgaram as obras de ficção pelo seu conteúdo mais do que pelo seu valor literário”, disse Marías em 2019, ao Expresso

24 janeiro 2023 16:50

O episódio do Teatro S. Luiz, em Lisboa, ocorrido no passado fim de semana, teria horrorizado o escritor Javier Marías. Pois, para ele, era imperativo distinguir entre o território real e o ficcional. Essa necessidade impunha-se sobretudo nos dias de hoje, porque, como disse há três anos, “nunca como hoje se julgaram as obras de ficção pelo seu conteúdo mais do que pelo seu valor literário”. Faça-se então esta ressalva: o escritor espanhol, falecido em setembro de 2022, aos 70 anos, refletiu sobre como este fenómeno de ‘censura’ social ou moral começara a invadir o terreno da criação literária, no seu entender sem justificação. Se não falou do teatro ou do cinema, falou da arte em geral, pelo que os seus argumentos estão na ordem do dia e lançam ‘achas’ à fogueira do debate que se instalou em Portugal.