Coronavírus

Covid longa afetou 17 milhões de europeus nos primeiros dois anos da pandemia

14 setembro 2022 9:23

getty images

A maioria das pessoas que passaram pela covid-19 recuperam por completo, mas entre 10 e 20% desenvolveram efeitos a médio e longo prazo

14 setembro 2022 9:23

Cerca de 17 milhões de europeus sofreram de covid-19 longa nos primeiros dois anos da pandemia, segundo um estudo divulgado esta terça-feira que aponta que as mulheres são duas vezes mais propensas a sofrerem com esta condição.

A investigação demonstrou, especificamente, um aumento de 307% nos casos de covid-19 persistente diagnosticados entre 2020 e 2021, devido ao aumento de infeções desde o final de 2020 e ao longo de 2021, refere um estudo do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde (IHME) da Escola de Medicina da Universidade de Washington para a região europeia da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O estudo sugere que as mulheres são duas vezes mais propensas que os homens a sofrer de covid-19 persistente e que o risco aumenta dramaticamente entre casos graves que necessitam de hospitalização, com uma em cada três mulheres e um em cada cinco homens propensos a desenvolver esta doença por um longo período.

A maioria das pessoas que passaram pela covid-19 recuperam por completo, mas entre 10 e 20% desenvolveram efeitos a médio e longo prazo.

"Embora ainda haja muito a ser estudado sobre a persistência da covid-19, especialmente como se apresenta em populações vacinadas em comparação com não vacinadas e como afeta as reinfecções, estes dados destacam a necessidade urgente de mais análises e aumento do investimento, apoio e solidariedade com aqueles que sofrem com esta condição”, destacou Hans Henri P. Kluge, diretor regional da OMS para a Europa.

Da mesma forma, o diretor do IHME, Christopher Murray, detalhou que quase 145 milhões de pessoas em todo o mundo sofreram, nos primeiros dois anos da pandemia, de qualquer um dos três grupos de sintomas persistentes da covid-19: fadiga com dor no corpo e alterações de humor, problemas cognitivos e falta de ar.

"Saber quantas pessoas são afetadas e durante quanto tempo é importante para os sistemas de saúde e agências governamentais desenvolverem serviços de reabilitação e apoio”, realçou Murray.

Também é fundamental que os empregadores entendam o problema, para que sejam criadas acomodações especiais para ajudar aqueles que enfrentam limitações, acrescentou.

Para ajudar a colmatar as lacunas no conhecimento e ajudar as pessoas que vivem com covid-19 persistente, a região europeia da OMS anunciou um acordo com a Long COVID Europe, uma organização em rede composta por 19 associações de doentes com sede em estados em toda a Europa.