Coronavírus

Medir temperatura dos alunos põe em causa “proteção de dados pessoais”, diz CNPD

20 maio 2020 9:29

Expresso

nurphoto

A medição da temperatura corporal não faz parte das orientações para o regresso às aulas presenciais emanadas pela Direção-Geral da Saúde

20 maio 2020 9:29

Expresso

Para a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), as escolas que estão a medir a temperatura dos alunos de regresso às aulas têm “a obrigação de verificarem e demonstrarem que os tratamentos que realizam cumprem os princípios e as regras legais de proteção dos dados pessoais”, avança o “Público” esta quarta-feira.

A posição da CNPD, publicada ontem, surge na sequência “das notícias divulgadas pela comunicação social de que, na retoma das aulas presenciais alguns estabelecimentos de ensino adotaram o procedimento de leitura da temperatura corporal dos alunos”, segundo a comissão.

Em declarações ao “Público”, o presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Filinto Lima, garantiu que “são casos absolutamente residuais”.

Aliás, a medição da temperatura corporal não faz parte das orientações para o regresso às aulas presenciais emanadas pela Direção-Geral da Saúde e pelo Ministério da Educação, lembrou.

“As escolas estão a tentar fazer o máximo para impedir situações de contágio. Se este procedimento não estiver correto, por certo que acolherão as orientações da comissão”, disse o presidente da ANDAEP.